SindicarioNET - Sindicato dos Bancários de Campo Grande-MS e Região
CUT BRASIL Contraf FETEC

Caixa Econômica Federal

Imprimir e-mail aumentar a fonte diminuir a fonte
Publicado em 9 de Janeiro de 2018 às 09:05
Caixa inclui cláusulas trabalhistas em seu estatuto e fere direito à livre negociação

Durante o debate sobre o estatuto da Caixa, os trabalhadores conquistaram a retirada da proposta de tornar o banco uma empresa sociedade anônima. No entanto, explica a representante dos empregados no Conselho de Administração, Rita Serrano, embora essa tenha sido uma conquista fundamental, o texto foi aprovado com outros itens polêmicos, dentre eles dois de cunho trabalhista: o plano de Saúde (Saúde Caixa) e a Participação nos Lucros e Resultados (PLR). “Naturalmente, votei contra essas inclusões, mas acabaram aprovadas por maioria”, relata.

 

Agora, a direção da Caixa vem divulgando o novo estatuto da empresa, inclusive no site do banco. Mas, ressalva Rita, é preciso saber que o que está sendo divulgado ainda não é a versão final do documento, que precisa ser aprovado pelos órgãos controladores. “No caso do Saúde Caixa não deverá haver nova alteração no texto, mas o banco também vai fazer constar no estatuto que o “pagamento da PLR aos empregados não poderá exceder limite estabelecido em legislação e normas aplicáveis”, o que poderá gerar controvérsia no momento da renovação do acordo coletivo em setembro de 2018. Para a segunda parcela de março de 2018, porém, nada muda.

 

Para Dionísio Reis, coordenador da Comissão Executiva dos Empregados da Caixa (CEE/Caixa), as alterações no estatuto, apesar da grande vitória que foi afastar a transformação da Caixa em AS, traz uma série de retiradas de direitos. “Principalmente, o estabelecimento de um teto no custeio do Saúde Caixa, o que contraria nosso acordo coletivo, uma grande conquista que existe desde 2004. Por isso, é muito importante a organização dos trabalhadores na defesa dos seus direitos.”

 

Direito ferido

Ao colocar cláusulas trabalhistas no estatuto, banco e governo ferem o direito à livre negociação, e restringem a dimensão do acordo coletivo. “É preciso mais uma vez que os empregados da Caixa se organizem porque ainda é possível reverter essa situação, já que há um período de transição, no caso do Saúde Caixa, e nada mudará até 2020. Assim temos tempo e chance para conquistar alterações”, afirma a representante dos empregados.

 

No Saúde Caixa, o estatuto determina que “a participação da CEF no custeio dos benefícios de assistência à saúde será limitada ao percentual de 6,5% das folhas de pagamento e proventos”. Atualmente a Caixa arca com 70% do custo assistencial e os empregados com 30%, e todos (independentemente da idade ou faixa salarial, aposentados ou da ativa) pagam o mesmo valor.

 

Já no caso da PLR, quando se fala em pagamento conforme preceitos legais isso significa seguir a lei original da Participação nos Lucros e Resultados, promulgada no ano 2000 (lei 10.101). Hoje o pagamento da PLR na Caixa consta do acordo coletivo firmado com os representantes dos trabalhadores, mas como se trata de um cálculo com muitas variáveis, a inclusão dessa cláusula no estatuto impedirá uma efetiva negociação e poderá resultar em controvérsias e perdas para os empregados do banco.

 

“Vamos nos manter alertas e informados sobre essas mudanças e dar continuidade à nossa mobilização, pois só assim poderemos evitar retrocessos”, aponta Rita. Ela lembra ainda que é preciso ter em mente que a Caixa segue as diretrizes do governo e, neste ano, o País vai escolher seu novo representante na presidência da República. “Na hora de votar o empregado da Caixa deve ter consciência de quem defende a manutenção e crescimento do banco público”, destaca.

 

Fonte: Contraf-CUT, com Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas

Entre em Contato

Jadir Fragas Garcia

Secretário de Esportes e Lazer

Moisés Graciliano Arguello

Secretário de Finanças

Walter Ribeiro Castro

Conselho Fiscal

Gilmar Antônio Gomes de Carvalho

Suplente do Conselho Fiscal

Coelho - João Manoel Andrade Coelho

Suplente do Conselho Fiscal

Ricardo Inácio Maciel

Suplente do Conselho Fiscal

Arilson Pedro Aranda

Suplente da Diretoria Administrativa

Donete Silvério de Souza

Suplente da Diretoria Administrativa

Marileda Ourives de Souza

Suplente da Diretoria Administrativa

Elizabet Lousada Felipe

Diretores Zonais

Valdecy Martins de Souza

Diretores Zonais

Calvino Braga de Araújo Júnior

Suplente da Diretoria Zonal

Ricardo Hofstadler Leonardo

Suplente da Diretoria Zonal

Sindicato dos Bancários de Campo Grande-MS e Região de Mato Grosso do Sul - Rua Barão do Rio Branco, 2652 - Jardim dos Estados

Campo Grande-MS - Telefone: 67 3312-6100 / Fax: 67 3312-6116