5 de Janeiro de 2018 às 09:28

Reforma trabalhista começa a atingir call center do Itaú

Itaú

Reginaldo de Oliveira/Martins e Santos Comunicação

Depois do Santander, o Itaú também começou a implantar mudanças prejudiciais aos bancários, respaldado pela nova legislação trabalhista de Michel Temer que passou a vigorar no dia 11 de novembro. Os funcionários do call center lotados no Centro Administrativo Tatuapé (CAT) e no ITM não poderão mais escolher quando entrarão em férias.

Antes, o funcionário indicava três datas, e o gestor selecionava uma para o início do período de férias. Os bancários denunciam que foram comunicados a desconsiderar essa seleção, mesmo os que já haviam apontado as datas. Também foram informados de que o setor jurídico e o RH do banco deliberarão sobre as novas regras para o gozo de férias de acordo com as mudanças embarcadas na reforma trabalhista.

A nova lei determina que as férias poderão ser fracionadas em até três períodos, desde que nenhum deles seja menor do que cinco dias, e serão definidas diretamente entre gestor e empregado, em uma correlação desigual de forças, já que o empregador terá o poder de impor a data que melhor convier ao banco, sob a prerrogativa de demitir o trabalhador que não aceitar os termos determinados pela empresa.

“Resumindo, o banco decidirá e o bancário terá de aceitar. As áreas de call center viraram um barril de pólvora, porque muitos trabalhadores com filhos já haviam escolhido a data para coincidir com as férias escolares e estavam na expectativa, mas com essa mudança unilateral e em cima da hora, tudo está em suspenso. Muitos agora sequer sabem quando e como vão poder tirar as férias”, relata o dirigente sindical de São Paulo e bancário do Itaú Júlio César Silva Santos.

Trabalho aos fins de semana – E as mudanças no call center não param por aí. Sem qualquer negociação, o Itaú mudou as escalas de trabalho aos finais de semana. Antes, o banco seguia um parâmetro que procurava respeitar dois sábados e domingos seguidos de descanso. Com a nova regra, os bancários terão de trabalhar um final de semana a mais, passando a descansar apenas um final de semana ao mês. Com essa alteração, o banco abriu a possibilidade para o bancário trabalhar até cinco plantões seguidos.

“Antes o funcionário tinha a possibilidade de se programar para uma viagem, mas essa mudança irá gerar uma grande sobrecarga de trabalho, o que poderá aumentar os riscos de doença ocupacional e problemas emocionais”, afirma Júlio César.

“O banco implantou essa mudança sem qualquer diálogo com o Sindicato, mesmo tendo se comprometido a abrir um canal de negociação sobre este tema, o que não fez, impondo novas regras para uma rotina que já era ruim e ficará ainda pior”, protesta Júlio César.

Fonte: SEEB/São Paulo

Convênios saiba +

Clube de campo saiba +

Jogos/ Resultadossaiba +

Entre em contato

  • Edvaldo Franco Barros

    Edvaldo Franco Barros

    Presidente

  • Carolina Areco Lopes

    Carolina Areco Lopes

    Suplente do Conselho Fiscal

  • João Chaves dos Santos

    João Chaves dos Santos

    Suplente do Conselho Fiscal

  • Ana Lúcia Barbosa dos Santos

    Ana Lúcia Barbosa dos Santos

    Suplente da Diretoria Administrativa

  • Patrícia da Silva Soares Bilac

    Patrícia da Silva Soares Bilac

    Suplente da Diretoria Administrativa

  • Andréia Silva de Souza

    Andréia Silva de Souza

    Suplente da Diretoria Administrativa

  • Cristiane Ferreira Rocha Abdo

    Cristiane Ferreira Rocha Abdo

    Suplente da Diretoria Administrativa

  • Marcley Telles Moura Amaral

    Marcley Telles Moura Amaral

    Suplente da Diretoria Administrativa

  • Márcia Aparecida Barbosa de Lima

    Márcia Aparecida Barbosa de Lima

    Suplente da Diretoria Administrativa

  • Heleny Sanchik de Souza

    Heleny Sanchik de Souza

    Suplente da Diretoria Zonal

Parceiros